“Ainda o espanto? Venha lá a indignação e a responsabilização!”

Liberdade daqui a: 832 dias!

 A questão incontornável: o indivíduo não gosta de “mexer” em mortos!

É um pormenor, uma particularidade que poderia, se a gestão de recursos humanos da P.J. existisse de facto, inviabilizar a continuação do texto desta semana, mas, infelizmente, o sujeito (inerência da sua nobre profissão) é “obrigado” a tocar nos restos mortais de terceiros.

Ainda que “obrigado”, muitas vezes contornou esta exigência, até que um dia…

O cadáver, em avançado estado de putrefacção, encontrava-se no interior de um veículo automóvel, uma carrinha.

O Inspector de Homicídios da P.J., como era costumeiro naquele departamento, encontrava-se no local do crime somente com uma colega da “equipa” (um claro exagero) de recolhas forenses.

Useiro e vezeiro, foi célere na realização da Inspecção Judiciária: “Tira umas fotografias”, para o técnico que o acompanhava, “Depois podem retirar o corpo, por favor! Depois vê-se melhor na autópsia! Onde está o P.S.P. que tem o nome das testemunhas?”

Festina lente, dizia Augusto, “Apressa-te devagar”.

O cadáver deu entrada no gabinete Médico-legal regional. Foi colocado numa câmara frigorífica. A autópsia realizar-se-á no dia seguinte por um perito médico-legal que não esteve presente no local do crime. Informação que dispõe sobre o cadáver: indivíduo do sexo masculino, encontrado no interior de uma carrinha de cor branca, avançado estado de putrefacção. Foi chamada da Prevenção de Homicídios da P.J., que tomou conta da ocorrência. Uma folha A4, um auto de notícia da P.S.P., primeiro OPC (Órgão de Polícia Criminal) a deslocar-se ao local da ocorrência. Mais informação? Terá que ser com a P.J.!

No dia seguinte, no final da manhã, o Inspector da P.J. redige uma Informação de Serviço (um modelo disponibilizado informaticamente e que serve para informar a Chefia / Coordenação / Serviços Administrativos da colocação de dias de férias, avarias com o computador, etc., mas que costumeiramente utilizam para relatar as Inspecções Judiciárias ainda que o Código de Processo Penal Português, no seu artigo 99º, consigne que o “Auto” é o instrumento destinado a fazer fé quanto aos termos em que se desenrolam os actos processuais!).

Nessa informação  relatará o que realizou na Inspecção Judiciária (“realizou” é notoriamente hiperbólico) e, sem assistir à autópsia ou ter contactado o perito médico-legal, concluirá com a “chapa” costumeira, a mesmice: “Não existem indícios de intervenção de terceiros na morte em apreço, pelo que levo o presente expediente à douta consideração superior de V.Exa.”

Cerca de uma, duas horas após esta pérola da investigação estar em cima da secretária do Inspector-Chefe, aguardando que este levasse à Coordenação para a “douta apreciação superior”, o telefone do responsável pela brigada toca!

Era o perito médico-legal que tinha na sua sala de autópsias o cadáver do indivíduo cuja morte “não teve intervenção de terceiros”:

“Por favor é melhor vir aqui alguém da P.J. porque o tipo tem um cinto à volta do pescoço e não creio que tenha sido o próprio a colocar o mesmo!”

Espantados? Não pode ser?

A temática deste texto surgiu quando, após o almoço, aqui em “Ébola”, já na cela liguei a televisão e estava na antena Hernâni Carvalho, Júlia Pinheiro e o João Paulo.

Comentavam o julgamento da colega Inspectora, Ana Saltão.

Espantados estavam Júlia Pinheiro e João Paulo porque o Director da Directoria do Porto da P.J. reconhecia que tinha sido subtraído das instalações da Directoria um lingote de ouro!

Atenção Maria Alice: não fui eu, já estou preso há 3 anos e quase 3 meses!

O espanto medrava nos interlocutores de Hernâni Carvalho enquanto este informava-os, e aos telespectadores, das provas, dos exames realizados, do resultado das perícias, do acondicionamento das provas/vestígios, dos testemunhos dos peritos, das declarações das testemunhas!

No “caso Ana Saltão” passados dias, semanas, encontraram outra cápsula de uma munição na casa onde ocorreram os factos? Espantados? Inédito? Atentem!

O Inspector estava a ordenar as fotografias que o colega da equipa técnica tinha realizado no local do crime: compunha a reportagem fotográfica que acompanha a “Informação de Serviço” costumeira, ilustrando-a.

Um crime passional. Vários disparos de espingarda caçadeira. Na fotografia contabilizou “X” cartuchos de espingarda caçadeira deflagrados. Em cima da sua secretária observava “Y” cartuchos, entre deflagrados e íntegros! Faltava um cartucho deflagrado!

Viram no interior do carro. Vasculharam a sala dos técnicos forenses. Viraram a sala do Inspector do avesso. Confirmaram através de palpação de bolsos de uns e outros.

Faltava um cartucho deflagrado! Tinham a espingarda caçadeira e os cartuchos íntegros, da mesma marca e calibre. Vamos fazer constar que existiu um erro, um lapso; vamos assumir a negligência, é humano! Não! Solução: efectuar um disparo com a caçadeira, com um dos cartuchos íntegros e assim fica tudo bem!

Nem ocorreu a ninguém voltar ao local do crime!

Conhecem aquela anedota, sobre outro OPC cujo elemento lavra um auto de notícia no local da ocorrência, e, vendo parte do corpo de uma vítima de um brutal atropelamento – a cabeça – no passeio, não sabendo se “passeio” se escreve com um ou dois “S”, resolve a dúvida pontapeando a cabeça para a estrada e escreve: “[…] e a cabeça na estrada […].” Conhecem?

Esta do cartucho é a versão P.J.!

Espantados?

E as roupas do sobrevivente do “caso Meco”? E o tratamento dado às roupas da Inspectora Ana Saltão? E a recolha do vestígio palmar do “caso Estripador de Lisboa” que não aparecia?

E o outro que esteve preso por homicídio mas não foi ele?

Ah! E aquele que afinal era corrupto por causa de uma promessa mas que cada vez mais acha que sempre teve razão e considera que ainda está preso por causa disso, e não há meio de se calar, sendo prova registada os textos deste blogue, antecipando tudo o que agora se comprova? Espantados?

Não se espantem! Indignem-se! Exijam responsabilização!

Hernâni Carvalho afirmou que se não estivessem a acompanhar o julgamento da Inspectora Ana Saltão nada disto se sabia, pelo que continuariam, empresa privada (SIC), a realizar serviço público independentemente dos processos-crime em que fossem constituídos arguidos por difamação ou injúria!

Força Hernâni Carvalho! Força Júlia Pinheiro!

Só tenho uma mágoa: o meu julgamento e o que se passou nas sessões não foi escrutinado, analisado, comentado. Não espantou!

Não espanta a duração da minha prisão preventiva! Não espanta Juízes da Relação criticarem Juízes da Relação por causa da minha prisão preventiva! Não espanta eu estar condenado pela prática de crime de corrupção na forma de promessa!

Não espanta e até se estranha, conforme um(a) Leitor(a) tem deixado aqui todas as semanas nos comentários, não espantar aquilo a que me sujeitam!

A mim não me espanta e reitero: eu tenho razão!

Eu sei como a máquina da Justiça funciona mas não aceito, não baixo os braços.

A todos Vós só peço: não se espantem! Indignem-se, exijam responsabilidades, porque senão serão tão responsáveis quanto os costumeiros!

Anúncios