“Amnésias Psicogénicas”

Prisão Preventiva: 2 anos, 5 meses e 7 dias!!!!

Leitura da sentença, faltam: 15 dias!

Amnésia, parcial, total, temporária ou definitiva!

Provocada por causas orgânicas ou psicológicas. Factores externos ou internos.

Síndrome de Korsakoff (encefalopatia induzida por álcool) quadro grave de amnésia no qual se podem verificar episódios de confabulação!

Perturbações mnésicas com desenvolvimento de um défice de memória; amnésia dissociativa: “incapacidade para recordar informação pessoal importante, geralmente de natureza traumática ou de stress, demasiado vasta para ser explicada por vulgar esquecimento.”

Amnésia anterógrada: “verifica-se após um trauma cerebral e é caracterizada pela incapacidade de recordar informações novas. Lembranças de experiências recentes desaparecem, mas a pessoa consegue recordar com clareza eventos anteriores ao trauma.”

Amnésia retrógrada: “a pessoa consegue recordar-se dos eventos que ocorreram após o trauma, mas não consegue lembrar-se de factos e informações que lhe eram familiares antes do trauma ocorrer.”

Existe para todos os gostos; o(a) Leitor(a) escolherá. Só mais uma definição, uma vez que julgo aplicar-se ao que explanarei de seguida:

Amnésia psicogénica. Verifica-se neste caso um quadro de pantomima, “no qual o examinado refere não se lembrar de certos eventos para no fundo não se prejudicar.”

A 20 de Agosto de 2016, o jornal “Correio da Manhã” noticiava a transferência/substituição/afastamento de vários Directores de Estabelecimentos Prisionais (E.P.´s): “[…] Directora afastada depois de vídeo polémico […]” (Sintra); “[…] Final das comissões serviu para uma remodelação global nas cadeias […]” (Angra do Heroísmo, Montijo, Guimarães, E.P. de Lisboa e Linhó).

E “Ébola”? Perdão! E o Estabelecimento Prisional de Évora? A prisão especial? Será que o Sr. Director da Direcção Geral dos Serviços Prisionais (D.G.S.P.) esqueceu-se? Terá sido um quadro de amnésia? Psicogénica? Pantomima?

Esqueceram ou tentaram fazer esquecer o “abaixo-assinado” (44 em 47 reclusos assinaram) protestando e solicitando uma auditoria ao E.P. de Évora, uma vez que a gestão do mesmo era, no mínimo, negligente?

O referido abaixo-assinado – acção inédita pelo grau de adesão – foi enviado ao Presidente da República, Ministra da Justiça, Director dos Serviços Prisionais, Dr. Celso Manata e ao Provedor de Justiça. Será que foi esquecido mesmo depois de noticiado nos “media” nacionais?

Olvidaram a morte do recluso João Furtado?

Não desejam recordar a entrevista que passou na CMTV, na qual o recluso João de Sousa denunciava a presença de ratazanas mortas no contentor existente que serve de cozinha, sem condições para quem lá trabalha?

Amnésia selectiva relativamente à questão da ausência de técnicos especializados em ressocialização e reinserção social ou técnicos para apoio e acompanhamento, orientação e terapia dos abusadores sexuais e pedófilos aqui recluídos? (escrevi sobre esta situação a 14 de Setembro de 2015, texto do blogue “De Commodo et Incommodo”).

É possível que tenham esquecido que nesta prisão, especial, somente com 44 reclusos (actualmente), ainda não tenha sido implementado o protocolo para reclusos autores de crimes sexuais?

Esqueceram os decisores que este E.P. é o único que não disponibiliza a plataforma digital para que os reclusos que estão a estudar possam realizar os seus estudos?

Já não se lembram que foi neste E.P. que um recluso foi castigado por opinar, denunciar, propalar o que aqui se passa?

Está esquecida Dra. Margarida Estevinho que foi “despudoradamente” afastada, afastamento que só pode ser explicado pelo voluntarismo, profissionalismo e humanidade que eram evidentes nas suas acções, algo inédito em “Ébola” e que só veio sublinhar, evidenciar a autêntica ausência de vontade, interesse e capacidade de fazer cumprir a Lei: ressocializar e reinserir!

– Então, João, o Director fica cá? – um recluso – Era como eu dizia: não vale a pena lutar, só nos prejudicamos!

Invoquei Roberto Saviano na resposta: “Dizem-nos que não existe esperança! Eles querem convencer-nos de que assim funciona o mundo, que só é possível ter sucesso nas coisas através do compromisso, da concessão, porque, no fundo, todos se vendem se quiserem chegar a algum lado!”

O meu camarada recluso encolheu os ombros olhando para mim e deixou-me na minha cela, talvez pensando que eu era um lírico e o tal de Saviano um novo reforço do Sporting!

Esta semana, o mesmo recluso, com mais outros dois na minha cela:

– João, posso? – batendo na porta do jazigo.

– Sim! – felizmente não estava na sanita.

– Podemos? – apontando com a cabeça os outros dois – O Director vai-se embora e vem para cá a Directora de Pinheiro da Cruz … – enquanto entravam.

A seguir a estes, muitos mais me interpelaram na cela, nas alas, no refeitório e até no banho.

– É pá o Gajo (Director) mentiu-me dizendo que no final de Setembro tratava da minha situação! – um.

– Não é que o fulano garantiu-me que em Outubro resolvia o meu problema! – outro.

– Se calhar o Director não sabia que ia embora! – um “cromo” que espera precárias, prometidas há muito tempo pelo Director em questão!

– Se calhar esqueceu-se que ia embora! – eu, com a toalha secando o baixo ventre.

Qual a razão para  ocultar o facto aos “media” e à população recluída de “Ébola”?

Amnésia? Psicogénica?

Ou: não vamos dar a ideia a estes indivíduos que denunciaram, queixaram-se, propalaram o que aqui se passa nesta instituição totalitária foi útil, um direito que possuem!

Não, não pode ser! Quem vai ligar a presos? Quem vai dar ouvidos àqueles que se banham nas “águas do olvido” do rio Letes? Aqueles que aos cinco sextos, obrigatoriamente, recuperados, reinseridos, ressocializados ou não, vão ser devolvidos à sociedade?

Não, claro que não! Trata-se apenas de finais de comissões, transferências normais.

Que peso pode ter um abaixo-assinado ou um blogue de um recluso?

Voltemos ao tal “tipo contratado pelo Sporting”, o Roberto Saviano, jornalista e escritor italiano: “[…] Mas quem mete medo não é o homem que escreve, são as muitas pessoas que ouvem, os olhos que leem uma história, as muitas línguas que a contarão depois. A palavra torna-se permissa da acção e em muitos casos a própria acção […]”

Esta semana, o anterior Director de “Ébola” foi transferido (coitados dos reclusos de Vale de Judeus!). Não reuniu a população recluída e despediu-se, nada disso, esqueceu-se ou então não queria ver o franco sorriso na cara dos reclusos!

Há uns meses um recluso abordou-me: “João, quando saíres daqui vais continuar Delegado da APAR (Associação Portuguesa de Apoio ao Recluso)? Vais continuar a falar e escrever sobre isto tudo ou vais esquecer?”

Respondi-lhe que não esqueceria e continuava a lutar por um sistema judicial e penitenciário melhor, afinal eu tinha sentido na pele (e ainda sinto) as deficiências de ambos.

É lógico, humano, que saia daqui (quando sair, espero eu ainda este mês!) com “cicatrizes psicológicas”, traumatizado, mas não vou enfermar de “Amnésia psicogénica”!

A pantomima, o fingimento, o esquecimento conveniente, deixo-os para o ex-Director de “Ébola”, para o Director da D.G.S.P., para os cínicos decisores da Justiça Lusa!

Essa pantomima, essa “amnésia psicogénica” convenientemente “anterógrada” é para os “Sócrates” e todos os outros que por aqui passaram; estão lá fora, sendo que aqui dentro, diziam que iriam mover mundos para mudar este sistema desumano, injusto.

Muitos deles com responsabilidades directas no que se legislou, legisla, promoveu e decretou por esses tribunais nacionais.

– João, eu não conhecia esta realidade … quando sair vou fazer algo! – todos eles pronunciaram estas palavras.

Actos: nada!

Talvez por medo de represálias aqui dentro (afinal trata-se de quem legislou, de quem fazia parte do Ministério Público), tudo prometeram e até agora pouco fizeram.

Amnésia psicogénica. Burlões cujo único desejo foi promover a comiseração geral, foi o compromisso e a cedência para sobreviver.

O Director já se foi. Acredito que a luta realizada contribuiu para o facto.

Espero que a nova Directora faça melhor e diferente, o que não será difícil atendendo ao desempenho do seu antecessor.

Quanto a mim, não esqueço nada, aponto tudo para escrever depois e registado ficar.

Não esqueço a minha palavra dada quando me convém, por isso, este mês, a 20 de Setembro de 2016, quando for para casa, cumprirei: nu integral público para festejar a minha liberdade!

Anúncios

22 thoughts on ““Amnésias Psicogénicas”

  1. Este tipo não tem amnésia, tem insanidade mental. Ainda sonha em sair? Preparem-se… é ver o Joãozinho a gritar aos sete ventos por recurso! Imediato! Já! Cabal! A injustiça! Qual Calimero…
    A justiça tarda, mas não falha. Dura lex sed lex, e este vai apanhar com todas em cima…

    • Carrasco você como inspector da PJ devia saber que ele vai sair, quer seja condenado ou nao. Sendo condenado, tem direito a recurso e como a prisao preventiva ultrapassa o prazo legal, fica a aguardar em liberdade o reultado do recurso e, eu nem sou advogado.

      • Por acaso não Jorge. Pode ficar ainda até aos três anos porque o prazo que está a contar é o da decisão de primeira instância. Esse acaba já a seguir à sentença mas depois ainda pode ficar mais seis meses até que transite em julgado. Se o trânsito não ocorrer dentro dos três anos então sim sai por esgotar o prazo da prisão preventiva.
        Digo eu que sou advogado.

      • E o Carrasco quer que os contribuintes continuem a passar infinitamente os custos das pessoas detidas.
        Fará mais sentido uma boa ação de reinserção e que voltem para a sociedade para que possam contribuir com proveito e não só com despesa, sobrecarga financeira (mais impostos) de todos os outros !

  2. Caro Inspector João de Sousa
    Não cante aleluias nem se ponha nu para comemorar a sua libertação, sujeita-se a contrair uma constipação!
    Sabe que em Portugal tudo pode acontecer para o melhor e para o pior.
    Até pode acontecer as vacas voarem! E com elas lá vai a esperança da liberdade.
    Pelo que tenho lido neste espaço, concluo que o Inspector está a ser – já neste blog o escrevi – vitima da sua forte e “teimosa” personalidade.
    Ou numa linguagem mais vernácula: vitima de sacanice.
    Em Portugal quando se nasce lagartixa poderá esporadicamente chegar a lagarto. E ponto final!
    Para chegar a jacaré, tem de se encerrar numa incubadora politica.
    Lembre-se que o país é muito pequenino. Tudo em Portugal gira á volta de compadrios, parentescos, colegas de curso ou de trabalho e de muita sabujice.
    Já aqui escrevi que não conheço nem de perto nem de longe o Inspector João Sousa.
    Ignoro se o Senhor está envolvido nalgum esquema ilícito de ouro, prata ou platina.
    Confesso que sou fã deste blog, não só pela frontalidade com que denuncia e divulga os casos que entende ser divulgados, mas também pela forma como os expõe.
    Quando há dias vi na RTPi a abertura não de uma ópera, mas do ano judicial, confesso que dei umas gargalhadas.
    Toda aquela pompa não obstante os seus “actores” usarem um guarda-roupa fúnebre, a circunstancia daquele acto pareceu uma cena teatral que se repete ano após ano.
    Mudam os actores, mas o cenário é sempre o mesmo. Muitas promessas, muitas recomendações e muitas acusações. Nada mais!
    Muito sumariamente vou narrar dois casos, que se tivessem acontecido em Portugal,a justiça teria sido enormemente diferente a favor dos arguidos. Parto do principio que seriam alguma vez presentes a julgamento.
    Há uns 10/12 anos um (reformado) juiz do High Court australiano, conduzia uma viatura que foi “apanhada” por uma camera de velocidade (infrared).
    E, azar dos azares, as cameras ignoram as posições sociais, intelectuais e mesmo politicas dos condutores faltosos.
    Daí que a respectiva multa foi enviada ao Hon. juiz para ser paga.
    Mas o Hon. juiz entendeu que não devia pagar a bisbilhotice e atrevimento da camera de velocidade. E não pagou!
    O Hon. juiz desculpou-se afirmando que o carro era conduzido por uma colega americana – a passar férias na Austrália – e aquém ele tinha emprestado a viatura.
    A policia foi indagar, e o Hon. juiz mentiu. A colega americana existiu, mas tinha sido vitima de um atropelamento fatal nos EU, há uns anos !!!!
    A bolota não se enquadrou com a perdigota. Mentiu!
    Foi julgado, condenado e preso. Embora fosse cumprir pena numa quinta prisional para VIPs.
    Se tivesse pago a multa que rondaria na época uns 70/80 dólares, teria evitado o vexame de ser imagem nas TVs. locais, e noticia na imprensa.
    O segundo caso,cujo desfecho é muito mais recente (2/3 meses), foi a condenação a prisão efectiva – não pulseira ou suspensa – da filha de um antigo primeiro ministro australiano.

    O Inspector acha que estes dois casos que acabei de relatar, teriam o mesmo desfecho em Portugal?
    Obviamente que não! Caso contrário eu acreditava que as vacas voavam!
    Os processos mais mediáticos que envolvem nomes tais como: Sócrates, Ricardo Salgado, Armando Vara, Dias Loureiro e Duarte Lima – entre outros nomes – vão provocar muitas insónias aos juízes que tiverem estes “meninos” nos braços.
    Tudo isto porque a “maternidade” é muito pequenina. Há que salvaguardar o futuro e não parir inimigos.

    Vou continuar a ser um seu fiel leitor,mesmo que saia de Ébola no próximo dia 20.
    Isto se as vacas ficarem em terra.

  3. Parece que Diretor do Estabelecimento Prisional de Ponta Delgada, se não estou enganado, já milita por lá há mais de 20 anos! Um caso de estudo certamente.

  4. Griff Jean, a confraria pede que caso obtenhas a tão ansiada liberdade dia 20 que não descubras perante o mundo o griffolau porquanto se o fizeres corres o risco de a mulher do carrasco pedir mesmo o divórcio por ter andado a ser enganada estes anos todos pensando que a medida média eram os 5 cm.

  5. A verdade é que o diretor de “Ebola” não saiu. Porque quem alí manda é o Rato Michek, o Ser mais frustado e vingativo por nunca ter ascendido a diretor.

  6. Não digas nada!
    Nem mesmo a verdade
    Há tanta suavidade em nada se dizer
    E tudo se entender — Tudo metade
    De sentir e de ver…
    Não digas nada
    Deixa esquecer

    Talvez que amanhã
    Em outra paisagem
    Digas que foi vã
    Toda essa viagem
    Até onde quis
    Ser quem me agrada…
    Mas ali fui feliz
    Não digas nada.

    Fernando Pessoa

  7. foi mais uma vez a abertura do ano judicial, sempre as mesmas palavras algumas mudanças especialmente o doutor Marinho e Pinto e o novo PR, apelando ao consenso. Onde eu ja ouvi isto? Enviei um mail para – belem@presidencia.pt .- falei no seu caso indecente de prisão preventiva e julgamento EM BOLANDAS, sem revelar muita coisa, pois isso compete ao senhor. Deveria enviar um mail piara o Presidente, para ele conhecer este caso insólito. Culpado ou nao culpado, isto é justiça do tempo da inquisição. Aliás foi nessa terra que nasceu o TRIBUNAL DO santo Oficio..

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s