“Operação Nariz Vermelho”

Prisão preventiva: 2 anos e 41 dias!

“Recitar! Mentre preso dal delirio,/ non so più quel che dico,/ e quel che faccio!/ Eppure è d’uopo, sforzati!/ Bah! Sei tu forse un uom?/ Tu sei Pagliaccio!

(Actuar! Enquanto estou preso pelo delírio,/ não sei mais o que digo/ e o que faço/ E no entanto é necessário, faz um esforço/ Bah! Não és tu um homem?/ Tu és um Palhaço!)

“Vesti la Giubba” (“Veste a fantasia” ou “Veste o costume, a farda”) é uma ária da famosa ópera de Ruggero Leoncavallo, “Pagliacci” (1892). Antes deste parágrafo, encontramos os primeiros versos da referida ária. Estou neste momento, enquanto Vos escrevo, a ouvir a maravilhosa voz de Luciano Pavarotti interpretando “Vesti la Giubba”!

Qual a razão para invocar Leoncavallo?

Porque o “prometido é devido”: não Vos deixei no texto da passada semana, que o presente opúsculo teria “bolinha vermelha”? Aí está ela, na imagem que ilustra as minhas humildes palavras, ali está ela, colocada no meu nariz! João de Sousa, “Tu sei Pagliaccio” !

Infelizmente, para os directamente visados, o “super Juiz” ainda não se pronunciou porque Carlos Alexandre está ainda a “desmontar” as “Matrioskas”; Infelizmente para mim, porque maior força estas linhas apresentariam, os meus colegas, como é expectável (e faço sinceros votos que se concretize) ainda não foram para casa onde terão de permanecer sob vigilância electrónica a aguardar os ulteriores desenvolvimentos do processo-crime no âmbito do qual são arguidos.

Porquê Palhaço !?

Porque sou recordista da prisão preventiva em Portugal, porque reúno todos os pressupostos para a manutenção da medida de coacção a que me sujeitam e porque outros são presumivelmente inocentes, não apresentam perigo de fuga ou perigo de perturbarem o inquérito ou as testemunhas e, aqui, neste momento, começa a verdadeira “palhaçada” a que todos Vós assistem, comummente conhecida por “Justiça portuguesa”!

Permitam-me que me atavie para Vos apresentar a farsa:

“[…] Vesti la giubba e la faccia infarina/ La gente paga e rider vuole qua […]”

(“[…] Veste a fantasia e pinta a face/ As pessoas pagam e querem rir […]”)

Divirtam-se.

“Narcotraficantes colombianos libertados consequência do “esgotamento” dos prazos da prisão preventiva que foram ultrapassados, fugiram de Portugal. Os vários recursos apresentados, esgotaram os prazos!

Verdadeiros “barões da droga” foram detidos e apreendidos com os mesmos, 340Kg de cocaína!”

Este pobre “Palhaço” nem disponibilidade económica tem para um defensor, quanto mais para recursos!

Não pretendo simplificar percepções. Cada caso, é um caso mas o que dizer desta disparidade de critérios:

Eu, que a partir de agora designarei por “Pagliaccio”, apresento “perigo de fuga” porque, segundo o Tribunal, “Uma vez que o arguido que participou várias vezes em cursos e acções de formação em países estrangeiros”, mas o indivíduo que efectuou os disparos no ataque ao restaurante Palácio do Kebab, no Cais do Sodré, Lisboa, que se apresentou ao Ministério Público, sem apresentar a arma que se vê nas imagens da televisão a colocar à cintura, como se apresentou voluntariamente, não tem “perigo de fuga”! Trata-se de uma tentativa de homicídio!!! Em liberdade? Não causa isto “perturbação da ordem e tranquilidade públicas”? Sujeito a Termo de Identidade e Residência?! Pode rir, Caro(a) Leitor(a)! Pode rir aqui do “Pagliaccio”!

Há mais! Recomponha-se, vamos à gargalhada!

“Operação Fundo Falso”. “10 detidos. Fraude fiscal, branqueamento de capitais, corrupção. Autoridade tributária também investigou. P.J. apanha 6,5 milhões a fabricante de móveis. Em causa, um esquema de facturação falsa. Facturas falsas inflacionavam os custos e minimizavam os lucros, logravam reaver quantias de IVA que não tinham pago e diminuir os custos em sede de IRC e IRS”.

Até parece o meu caso, a papel químico, só que sem o ouro!

Resultado: ninguém em prisão preventiva, 5 mil euros de caução e apresentações quinzenais!!!

Nunca soube qual era o nome que a minha instituição tinha dado ao meu caso, descobri esta semana que passou: “Operação nariz vermelho”!  Só pode ser, e o “Palhaço” sou eu!!!

“Operação Fizz”. Preso preventivamente aqui em “Ébola” o Procurador, Dr. Orlando Figueira.

“Advogado de Manuel Vicente interrogado como arguido”, supostamente este causídico um dos corruptores activos. Resultado: Termo de identidade e residência (igualmente indiciado por branqueamento de capitais!!)

“[…] E se Arlecchin t’invola Colombina/ Ridi, Pagliaccio, e ognun applaudirà!/ Tramuta in lazzi lo spasmo ed il pianto/ In una smorfia il singhiozzo e ‘l dolor. Ah! […]”

(“[…] E se Arlequim rouba-te a Columbina/ Ri, Palhaço, e todos aplaudirão!/ Transforma em pantomina a tua inquietude e pranto/ Em metamorfose o soluço e a dor. Ah! […]”

A minha Columbina: a minha Liberdade! Arlequim: a Justiça portuguesa!

Aplaudam esta:

Bancária capturada por desvio de milhões […] detida pela P.J.. Vítimas lesadas em 20 milhões de euros. […] Estava incontactável desde o início do mês de Abril. Saiu em Liberdade […]”

Mais, há mais:

“Director da Fidelidade em fraude de 4,5 milhões […] foi cúmplice de […] continua em Liberdade […]”

Quer o José Sócrates que estava a entrar no país e não a sair, quer o “Pagliaccio” do Inspector João de Sousa que contactável se encontrava na escola da Polícia Judiciária onde frequentava um curso, na altura das suas detenções, apresentaram “perigo de fuga” e foram sujeitos à medida de coacção mais grave: prisão preventiva!

“Almada. Tribunal deixa ladrão violento em liberdade. Furtou uma carrinha, assaltou um supermercado, tentou abalroar carros da PSP […] não tem residência fixa, nem explicou à Polícia a razão para estar em Portugal, mas o Tribunal de Almada libertou Farooq Husain […]”

Ri, Palhaço! Divirtam-se! 2 anos e 41 dias de prisão preventiva!

“Salgado: um grande cabaz de acções… dois milhões em onças de ouro” – Ridi, Pagliaccio!

“Avenças a políticos na lista suspeita do GES” – Ridi, Pagliaccio!

“Lima com 5 milhões de Feteira” – Ridi, Pagliaccio!

“Brasileiro do caso “Lava jacto” em casa com pulseira electrónica” – Ridi, Pagliaccio!

“Abusadores sexuais condenados a pena suspensa de 3 anos e 6 meses porque são primários” – E aqui o “Pagliaccio” preso preventivamente há 2 anos e 41 dias! Ridi!

“[…] Ridi, Pagliaccio, sul tuo amore infranto!/ Ridi, del duol, che t’avvelena il cor!”

(“[…] Ri, Palhaço, sobre o teu amor destroçado/ Ri da dor que te envenena o coração!”)

Paulo Pereira Cristóvão, que também esteve preso em “Ébola”, agora em casa, igualmente privado da sua liberdade, questiona: “O que tem o Mustafá que eu não tenho?” (in “Sábado”, nº 627, de 5 a 9 de Maio de 2016) Mustafá em liberdade plena, Pereira Cristóvão sujeito a prisão domiciliária!

Permitam-me a questão: “O que tem esta gente toda que eu não tenho?”

Talvez não esteja a colocar a questão correctamente, será melhor assim: “O que é que eu tenho e esta gente não?!”

Para já, posso responder da seguinte forma, numa análise intencionalmente superficial: “Um nariz vermelho!”

Finalizando:

“Sabrina de Sousa, ex-agente da CIA: “Não quero cumprir pena em Portugal”

Quando questionada pelo jornalista do “Expresso”: “Não. Em Itália quem tem uma sentença de 4 ou menos anos para cumprir tem outras opções. Mas o que eu quero é ser ilibada de todas as acusações.”

Preocupante, no mínimo: nem para estar preso, Portugal é bom lugar. Portugal ou a Justiça portuguesa?

Não se confunda a floresta com uma árvore somente!

Muito bem. Vou despir a fantasia e tirar a maquilhagem!

O túnel do Marão vai ser inaugurado. José Sócrates, presumível inocente (como prevê a lei) estará presente uma vez que contribuiu para a realização da obra, única na Península Ibérica!

Para a semana, dia 14 de Maio, também vou celebrar uma obra cuja realização partilho com a minha mulher, única no Mundo, bela, não posso estar presente no evento porque sou presumivelmente culpado (ao contrário do que a lei prevê). Dia 14 de Maio, o meu “filho-homem”, o Júnior, faz 2 anos de vida!

Nunca partilhei no aconchego da minha casa, desde que ele nasceu, com aqueles que amo, a celebração do seu aniversário. Uma coisa garanto: com gosto, voluntariamente, contrariamente ao que me impõem desde 29 de Março de 2014, vou vestir a fantasia e fazer muitas palhaçadas com o Jr., as irmãs e a mãe dos três, aqui em “Ébola”, rindo da dor que me envenena o coração!

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s